Diálogos - Psicologia Clínica, Psicoterapia, Psicanálise

Morada: Av República, 97 - R/C

1050-197 Lisboa

Tm. 964 471 611

Email: dialogospsicologialisboa@gmail.com

Personalidades Borderline

A Personalidade Borderline consiste numa forte instabilidade e impulsividade nas relações, no humor e no comportamento, que se mantêm ao longo do tempo. É uma perturbação muito desestabilizadora, não só para o próprio, como também para o seio familiar e social da pessoa, uma vez que possui uma forte componente relacional.

O traço dominante da Personalidade Borderline é a dependência do outro e um medo excessivo de ser abandonado. Enquanto uma “pessoa comum” receia ser abandonada e magoada, mas não se desorganiza por isso, na Personalidade Borderline, o medo de abandono gera ansiedade, frequentemente acompanhada por descontrolo dos impulsos, explosões de raiva e agressividade. As Personalidades Borderline têm um grande desejo de proximidade com o outro. No entanto, essa proximidade leva à perda dos limites do Eu, gerando emoções extremas e difíceis de gerir, tanto para o próprio, como as pessoas que os rodeiam.

Adicionalmente, têm uma imagem clivada do outro, em que ele é percebido como totalmente bom (ideal e sem defeitos), ou totalmente mau (cruel, abandónico ou persecutório), nunca conseguindo integrar estes dois aspectos e criar uma afectividade e uma imagem do outro complexas e elaboradas.

Características da Personalidade Borderline

  • Medo de ser abandonado. Este medo é mais ou menos permanente e não está necessariamente relacionado com a probabilidade de isso vir a acontecer, podendo ser real ou imaginado.

  • Alternância entre idealizar e desvalorizar o outro. O sujeito não consegue ver o outro de forma realista com uma integração das suas virtudes e defeitos, tornando as relações muito intensas e instáveis.

  • Afectos intensos e súbitos, nomeadamente ansiedade, raiva e agressividade.

  • Hiper-vigilância, ideação paranóide e reactividade.

  • Difusão identitária: o indivíduo não tem uma ideia sólida das suas características pessoais, mas uma auto-imagem ou percepção de si mesmo instável.

  • Pensamentos dominados pela incerteza, ausência de direcção em muitas áreas da sua vida e dificuldade em comprometer-se com um projecto de forma consistente.

  • Sentimentos crónicos de vazio.

  • Comportamentos destrutivos e auto-destrutivos.

 

Compreender a Personalidade Borderline

Estudos recentes têm concluído que a origem da Personalidade Borderline está, mais do que em qualquer outra psicopatologia, relacionada com factores interpessoais, nomeadamente com a interiorização de modelos perturbados de relação quando a criança se encontra em desenvolvimento.

1. Incidência de psicopatologia parental

Um dos fatores que parece favorecer o desenvolvimento de Personalidades Borderline é a existência prévia de várias psicopatologias nos pais ou cuidadores destes indivíduos. Foram identificados comportamentos agressivos e episódios depressivos em mães, assim como comportamentos agressivos nos pais, o que sugere uma ligação entre a patologia dos pais e a prevalência de Personalidade Borderline nos filhos, que possivelmente é menos genética e mais devida ao estabelecimento de modelos relacionais instáveis ou difusos.

2. Perturbações do processo de vinculação

Perdas afectivas e separações durante os primeiros 2 anos de vida parecem ser também factores desencadeadores, na medida em que se constituem na mente da criança como experiências traumáticas de abandono. O divórcio dos pais ou a morte de um dos pais são experiências comuns em indivíduos com Personalidade Borderline. Estas rupturas precoces geram sentimentos de desconfiança em relação ao outro e insegurança por parte da criança em relação aos pais e ao meio ambiente.

 

3. Instabilidade do meio familiar

Foi também observada a prevalência de estilos parentais inconsistentes, caracterizados pelo envio de mensagens contraditórias, alternando entre explosões emocionais e momentos de grande proximidade, que confundem a criança e dificultam a construção de um self e de uma imagem de si mesma estável e integrada. Estilos parentais autoritários também parecem contribuir para a instabilidade emocional das Personalidades Borderline, uma vez que geram stress e raiva na criança. Abusos físicos e abusos sexuais durante a infância são também frequentes nos indivíduos com Personalidade Borderline, dificultando a capacidade de controlo dos impulsos.

Intervenção psicoterapêutica na Personalidade Borderline

A intervenção terapêutica nas Personalidades Borderline passa pela interiorização de um modelo relacional mais estável e equilibrado, que promova a integração dos aspectos clivados do Self e do outro, a aquisição da capacidade de regulação emocional e a integração e modulação da frustração decorrente dos limites da realidade.