Diálogos - Psicologia Clínica, Psicoterapia, Psicanálise

Morada: Av República, 97 - R/C

1050-197 Lisboa

Tm. 964 471 611

Email: dialogospsicologialisboa@gmail.com

Personalidades Dependentes

De certa forma, todos nós somos emocionalmente dependentes uns dos outros. É saudável e humano sentir um certo grau de dependência emocional. Todos necessitamos de aprovação, empatia, validação e encorajamento por parte dos outros. Mas enquanto este desejo nunca é completamente abandonado, um estádio de dependência madura costuma ser, progressivamente, alcançado. Na dependência madura, mantém-se um certo desejo de reconhecimento, mas a função de cuidar de nós recai mais sobre nós do que sobre os outros.

As Personalidades Dependentes necessitam de contínuo apoio, reconhecimento e validação por parte dos outros. Não constroem um locus de controlo interno, i.e., não se conseguem orientar segundo os seus próprios desejos, valores e princípios, procurando essa orientação nos outros. Têm muitas dificuldades em tomar decisões de forma autónoma, desvalorizando as suas capacidades e delegando para outros a responsabilidade de aspectos importantes das suas vidas. É-lhes também muito difícil exprimir qualquer tipo de desacordo ou oposição, por medo de perder o seu suporte e aprovação do outro.

Características das Personalidades Dependentes

  • Dificuldade em tomar decisões diárias sem uma quantidade excessiva de aconselhamento e conforto por parte das outras pessoas.

  • Uma grande necessidade de ser cuidado, que leva a comportamentos de submissão.

  • Necessitar de transferir responsabilidades para os outros em áreas importantes da sua vida.

  • Dificuldade em exprimir desacordo com os outros, por medo de perder suporte ou aprovação

  • Dificuldade de iniciar projectos ou fazer coisas por sua conta, devido à ausência de confiança no seu julgamento ou capacidades.

  • Fazer esforços excessivos para obter cuidados e apoio dos outros.

  • Ter medo de ser deixado entregue a si próprio

  • Sentimentos de incapacidade e inaptidão.

A Perturbação da Personalidade Dependente raramente é o diagnóstico principal e, por vezes, não chega a ser diagnosticada. Quando uma pessoa com Personalidade Dependente procura ajuda terapêutica, normalmente é por sintomas somáticos e depressivos, enquanto os traços de dependência passam despercebidos e nunca chegam a ser tratados. No entanto, esta perturbação da personalidade causa sofrimento à pessoa, que sente não conseguir funcionar autonomamente, e àqueles que a rodeiam, quando é requerido que essa pessoa seja mais autónoma. Os parceiros podem-se sentir pouco apoiados, ou sentir que são colocados no lugar de pais, enquanto os filhos podem sentir que têm de cuidar da pessoa e que o pai ou a mãe não cuidam deles. É importante estar atento a estes sinais e não sentir medo ou vergonha de procurar ajuda terapêutica, uma vez que, como outras perturbações de personalidade, a dependência emocional pode ser compreendida e melhorada em psicoterapia.

Compreender a Personalidade Dependente

A investigação aponta para a interiorização de imagens parentais controladoras e/ou ansiosas, que, por controlo e invasão do espaço mental ou por projecção de ansiedade sobre a criança, desencorajaram os comportamentos de autonomia e exploração do meio ambiente. Verificou-se também a prevalência de estilos de vinculação inseguros, com pouco suporte parental e escassez de gestos de reconhecimento, encorajamento e validação da criança, que tanto produzem aspectos depressivos inibidores da auto-estima e auto-confiança, como não permitem a formação de uma retaguarda segura para a exploração do meio.

A Personalidade Dependente tende a desenvolver-se ao longo da infância, em famílias cujos processos de vinculação são difusos ou inconsistentes e que, directa ou indirectamente, comunicam que a independência é cheia de perigou ou levam a criança a sentir-se recompensada por comportamentos de dependência e ameaçada em movimentos de autonomia. Os comportamento de dependência também podem surgir na sequências de experiências traumáticas que induziram processos de regressão psíquica e emocional, como tentativa de reparação dessa experiência.

Intervenção psicoterapêutica na Personalidade Dependente

A intervenção terapêutica trata de facultar apoio e suporte de forma a satisfazer necessidades básicas de orientação, validação e reconhecimento. Inversamente, trabalha-se a identificação de afectos, sentimentos e pensamentos, promovendo a apropriação da experiência emocional e aumentando a capacidade de mobilização de recursos internos suficientes para iniciar actividades de forma autónoma.