Depressão

Sentimentos de infelicidade profundos e difusos, tristeza avassaladora ou simplesmente "estar triste" afectam todas as pessoas em vários momentos da sua vida. A tristeza faz parte dos processos normais de vida e geralmente os episódios de tristeza são caracterizados por amadurecimento emocional, um maior crescimento, uma aceitação das coisas tal como elas são e uma pacificação na relação com os outros e com a realidade. No entanto, num quadro depressivo, a tristeza é persistente, vindo acompanhada por falta de cuidados consigo próprio, fadiga, desmotivação e baixa auto-estima. A depressão é essencialmente, um estado afectivo no qual a pessoa perdeu o contacto com o desejo de viver.

 

Sintomas de Depressão

  • Sentimentos persistentes de desesperança, inutilidade e vazio.

  • Falta de auto-estima.

  • Fadiga e falta de energia.

  • Irritabilidade e frustração.

  • Perda de interesse em actividades ou hobbies que costumavam ser agradáveis.

  • Dificuldade em dormir ou dormir demasiado.

  • Dificuldades de concentração, memória ou tomadas de decisão.

  • Alterações do apetite ou do peso.

  • Pensamentos recorrentes de morte ou suicídio.

 

Estes sintomas são comuns a vários tipos de depressão e podem variar consoante a sua intensidade e duração no tempo. Uma compreensão mais aprofundada dos diferentes tipos pode ajudar a iniciar o caminho para o diagnóstico e recuperação.

 

Tipos de Depressão

 

1. Depressão Major

 

A Depressão Major é a depressão clínica mais comum, também chamada Depressão Unipolar. É caracterizada por sintomas muito intensos e aparentemente sem stressores externos que possam conduzir a esses sentimentos. Por outras palavras, a pessoa não tem à partida razões para se sentir triste, mas tem um sentimento de tristeza e desmotivação que não consegue compreender. 

 

Algumas pessoas podem ter um único episódio de depressão major, enquanto outras experienciam vários episódios ao longo da sua vida. Independentemente do tempo que duram os sintomas, a depressão major causa problemas nas relações interpessoais e uma grande inibição da motivação para realizar actividades diárias.

 

2. Depressão Persistente

 

A Depressão Persistente, também chamada Depressividade, Distmia ou Depressão Crónica é menos intensa do que a depressão major, mas evoca sentimentos de tristeza, desesperança e perda de prazer que estão sempre mais ou menos presentes ao longo do tempo. É um tipo de depressão a longo prazo, que pode melhorar temporariamente e depois voltar a aparecer. A Depressão Persistente dura anos e as pessoas com este tipo de depressão podem sentir que os seus sintomas são apenas parte da sua maneira de ser ou a sua percepção normal da vida. 

 

3. Perturbação Bi-polar

 

A Perturação Bipolar, por vezes chamada Depressão Maníaca, é uma condição de saúde mental que causa flutuações extremas do humor e alterações na energia, pensamentos, comportamentos e no sono. Na Perturbação Bi-polar, a pessoa alterna entre estados de profunda tristeza e episódios maníacos, com euforia, insónias e muita energia. Estas alterações extremas de humor podem ocorrer com frequência – ao longo do dia, todas as semanas – ou aparecerem esporadicamente – duas vezes por ano. Os estabilizadores de humor, como o lítio, podem ser usados para controlar as mudanças de humor, juntamente com o acompanhamento psicoterapêutico.

 

4. Depressão Reactiva

A Depressão Reactiva, também conhecida como Perturbação da Adaptação, é um tipo de depressão relacionada com stress a curto prazo. Pode desenvolver-se depois da experiência de um evento traumático ou de uma série de alterações na vida quotidianas. Exemplos de agentes stressores podem ser um divórcio, a reforma, a perda de um amigo, uma doença ou problemas nas relações interpessoais. A depressão reactiva é considerada uma perturbação da adaptação, na medida em que resulta da impossibilidade de aceitar e lidar com as mudanças que ocorreram.

 

Compreender a Depressão

 

A investigação realizada tem chegado à conclusão que existem algumas influencias genéticas no desenvolvimento de depressão, mas que essas influências não são preponderantes. O preditor mais influente é presença de eventos stressores associados a interacções precoces e a perdas significativas na infância ou na vida adulta. Alguns estudos observaram que a perda de um dos pais durante a infância aumenta significativamente a probabilidade de o indivíduo desenvolver depressão major durante a vida adulta e que o efeito de uma perda devido a uma separação permanente é mais expressivo do que o de uma perda causada por morte. 

Entre os eventos stressores, distinguem-se ainda as respostas à perda pela tristeza e as respostas pela depressão. Enquanto na tristeza, há um processo de luto normal pelo outro, com tristeza, pacificação e aceitação, na depressão, este processo de luto recai sobre o próprio, com perda de auto-estima, de energia, desvalorização do Eu e desmotivação. Na tristeza, existe uma perda do Outro, um luto pelo Outro, enquanto na depressão existe uma perda do Eu, um luto pelo Eu. Às vezes, estes processos podem ser facilmente identificados e relacionados com eventos específicos na vida da pessoa, outras vezes, é mais difícil determiná-los, por estarem associados a experiências de vida precoces ou a padrões relacionais depressígenos que induzem experiências de desvalorização no sujeito. 

Tratamento da Depressão

 

A intervenção terapêutica consiste em abordar, progressivamente, os sentimentos e pensamentos associados aos sintomas depressivos. A depressão muitas vezes oculta outras dificuldades, pelo que estas associações devem ser efectuadas, de maneira não só a aliviar os sintomas como a prevenir a ocorrência de futuros episódios. O estabelecimento de um sentido para o abatimento, a desmotivação, a falta de energia e a falta de auto-estima é essencial na recuperação da vitalidade e do desejo de viver. Tal implica uma atenção cuidadosa à história de vida do paciente, assim como à qualidade das suas relações interpessoais do passado e do presente. Lembre-se que é vital procurar ajuda e receber o tratamento e o apoio necessários.

Diálogos - Psicologia Clínica, Psicoterapia, Psicanálise

Morada: Av República, 97 - R/C

1050-090 Lisboa